Caminhada simbólica liga a Escola Superior de Biotecnologia ao seu futuro

A Escola Superior de Biotecnologia tem um novo espaço, um novo edifício no campus Foz, da Universidade Católica Portuguesa. O Edifício de Biotecnologia, no campus Foz, foi construído de raiz para acolher os laboratórios, salas de aulas, mas sobretudo os docentes, colaboradores, alunos e antigos alunos da Escola Superior de Biotecnologia. Neste sentido, a manhã de sábado, 13 de julho de 2019, foi preenchida por uma animada caminhada em que antigos e atuais alunos, além de professores e colaboradores, percorreram a pé os 8 km que separam os pólos Asprela e Foz da Universidade Católica no Porto.

Uma atividade que se revestiu de um significado particular por decorrer precisamente no mês em que termina o processo de mudança de instalações da Escola Superior de Biotecnologia. O novo edifício, já em atividade, foi visitado no final da caminhada. Eram visíveis ainda os sinais da transição: laboratórios onde se instalam e calibram equipamentos, caixotes por desempacotar nos corredores, um sentimento geral de novidade e a consciência eletrizante de que, ao fim de 35 anos de existência, se iniciou com ambição renovada um novo rumo em direção ao futuro e seus desafios.

Em setembro os novos alunos que entrarem para o primeiro ano das licenciaturas da Escola Superior de Biotecnologia já não vão conhecer o pólo da Asprela onde se formaram gerações de engenheiros, nutricionistas e microbiólogos. Por outro lado, as potencialidades de enriquecimento pela interação natural e inevitável com os estudantes das restantes faculdades abre dimensões até aqui indisponíveis. A quarentena de "pioneiros" que neste sábado levou para a Foz a velhinha placa de inauguração das agora vazias instalações na Asprela abriu simbolicamente a página onde se inicia o próximo capítulo da história, a escrever por todas as pessoas que vestirem - literalmente e não só - a camisola da Escola Superior de Biotecnologia.

Julho 2019

Partilhe/Share