Escola Superior de Biotecnologia produz viseiras para profissionais de saúde

No Laboratório de Biomateriais e Tecnologia Biomédica, do Laboratório Associado CBQF da Escola Superior de Biotecnologia, existe uma impressora 3D que, nos últimos dias, foi canalizada para fazer a impressão de peças para viseiras para profissionais de saúde que estão na linha da frente no combate ao COVID-19. Ana Leite Oliveira, investigadora responsável por esta ação, conta que “começamos com um polímero de ácido polilático (PLA) e agora estamos a utilizar um outro material que é o PETG, que é autoclavável, ou seja, as nossas peças podem ser esterilizadas.O design foi disponibilizado gratuitamente pela empresa Sueca 3DVERSTAN.”

Com os desafios inerentes ao tempo e a ser apenas uma impressora, Ana Leite Oliveira explica que “por semana é difícil estimar o número de peças porque às vezes é preciso parar para fazer manutenção”, mas acrescenta que “neste momento, estamos a trabalhar 24h/24h, 1 peça por hora, conseguindo um total de 20 peças por dia.”

Colaboram nesta ação e com grande entusiasmo, as alunas Inês Vasconcelos e Marta Duarte. Curioso é saber que, nesta história, Ana Leite Oliveira realça “o papel fundamental dos nossos vigilantes do edifício do CBQF, a quem dei formação e que asseguram a produção 24h/24h, com uma dedicação e sentido de missão extraordinários.”

Até agora o Laboratório de Biomateriais e Tecnologia Biomédica, do CBQF/ESB/UCP, já fez mais de 200 viseiras, distribuídas pelos hospitais Pedro Hispano (Matosinhos), Magalhães Lemos (Porto), Unidade de Neonatologia do Hospital de Braga, mas também para o Hospital da Forças Armadas, Polo do Porto e ainda o Centro Social Paroquial Nossa Senhora da Vitória.

 

  

  

Abril 2020

Partilhe/Share