CBQF integra consórcio que vai desenvolver um novo adjuvante para vacinas profiláticas

A Universidade Católica Portuguesa (UCP) através do CBQF - Centro de Biotecnologia e Química Fina integrado na Escola de Biotecnologia, em parceria com a Amyris e com o American Infectious Disease Research Institute (IDRI), está a trabalhar no desenvolvimento de adjuvantes de vacinas sustentáveis para aplicação futura em cenários de pandemia. Os adjuvantes atuais sofrem de algumas limitações, incluindo dificuldade de produção em grande escala, falta de sustentabilidade ou ausência de potencial para reduzir a quantidade de antígeno necessária na formulação final.

O projeto GluVac nasceu em resposta a um desafio lançado pelo IDRI à UCP e Amyris, com o objetivo de produzir e explorar biopolímeros com propriedades imunomoduladoras, com potencial para serem incorporados como adjuvantes de vacinas profiláticas para uso em futuras pandemias. Prevê-se que esta colaboração tripartida seja alargada num futuro próximo, nomeadamente no desenvolvimento de soluções terapêuticas, profiláticas e de diagnóstico para diversos fins.

João Carlos Fernandes, investigador do CBQF e responsável pelo projeto, refere que “o desafio deste projeto, principalmente pelo contexto de pandemia que vivemos atualmente, é conseguir dar resposta à necessidade de desenvolvimento de soluções inovadores que se adaptem a novos agentes patogénicos e que permitam acelerar o processo de desenvolvimento de novas vacinas, com foco na vacina para a Covid-19”.

O presidente da Amyris Bioproducts Portugal, Miguel Barbosa, explica que “os adjuvantes para vacinas desempenham um papel fundamental na resposta imunitária provocada por um grande número de vacinas, incluído algumas vacinas contra o SARS-CoV2 que se encontram em desenvolvimento”. A Amyris está a desenvolver uma nova forma sustentável de fornecer um adjuvante já utilizado pela indústria, e no desenvolvimento de novos e mais eficazes adjuvantes”. Neste sentido, refere que “o projeto GLUVAC vai permitir desenvolver e lançar no mercado estes adjuvantes alavancando as competências da Amyris e do seu parceiro em Portugal: a Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa."

O projeto GluVac reúne um consórcio e parceiros com experiência reconhecida para apoiar a Amyris – empresa Americana líder em engenharia de leveduras e produtos direcionados para a saúde – a atingir os objetivos do projeto: uma equipa da Universidade Católica Portuguesa com extenso conhecimento científico em áreas-chave do projeto – química analítica, bioquímica clínica e biotecnologia, o parceiro Infectious Disease Research Institute – uma organização global de saúde focada na descoberta e formulação de adjuvantes de vacinas. O projeto contará ainda com a colaboração do Coimbra Institute for Clinical and Biomedical Research da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra na realização de ensaios pré-clínicos.

O projeto é promovido pela Amyris Bio Products Portugal e cofinanciado pelo COMPETE 2020 no âmbito do Sistema de Incentivos I&D Empresas e Infraestruturas de Ensaio e Otimização (COVID-19), envolvendo um investimento elegível de 282 mil euros, o que resultou num incentivo FEDER de cerca de 251 mil euros.

Janeiro de 2021

Artigos relacionados:
GluVac-COVID19: desenvolvimento de um adjuvante para vacinas SARsCov2

21-01-2021

Partilhe/Share